quarta-feira, novembro 30, 2011

Estudo sobre terapia de casal para jogadores patológicos


Chamo me Diana Cunha e estou a desenvolver um estudo, no âmbito do meu doutoramento, que visa adaptar e testar um protocolo de terapia de casal para jogadores patológicos (casais em que um dos elementos é jogador). Os participantes beneficiarão da intervenção de casal de forma gratuita.

Comentario: Recebi este email da Diana Cunha e tenho todo o gosto em publica-lo no blogue. Siga o link e participe.

quarta-feira, novembro 23, 2011

Vitimas do estigma, da negação e da vergonha


O alcoolismo é um problema de saúde pública em Portugal. Na minha opinião, é uma epidemia (doença), que assume proporções graves e é negligenciada pelas autoridades competentes; políticos, tribunais, ordem dos médicos, ordem dos psicólogos, ordem dos advogados e comunicação social.
Quais os custos económicos e sociais do abuso do álcool e do alcoolismo em Portugal? Não creio que existam estudos que respondam a esta questão. 

Quais as consequências para a família, incluindo as crianças? Não creio que existam estudos que respondam a esta questão. 

Cada caso um caso, convém recordar que por detrás dos números/estatísticas existem pessoas, incluindo as crianças inocentes, que assistem, impotentes, diariamente ao drama do abuso do álcool e do alcoolismo. 
Sabia que o abuso do álcool e do alcoolismo é um fenómeno transversal na nossa sociedade?

Existem mais óbitos associados ao álcool do que com o vírus da gripe mais letal. Quantas vítimas mais são necessárias para que as autoridades competentes e a sociedade civil despertem para este pesadelo? Caso você conheça alguns estudos que contemplem estas questões, peço que envie para o email: xx.joao@gmail.com. Bem haja.

Pertencemos a uma cultura que bebe. Os números/vítimas não param de aumentar perante a passividade e o consentimento das autoridades (in)competentes. Os números divulgados neste blogue são apenas a ponta do iceberg.

51. Noticia no JN (07/12/16) Vila Verde. "Agressor da mãe aceitou tratar-se. Luís, de 40 anos, sofre de alcoolismo, aceitou fazer um tratamento, incluindo, ser internado, para não ir preso três anos e meio por agredir a  mãe. O arguido foi acusado de agredir a própria mãe, entretanto falecida, a quem furtava galinhas para vender e com o dinheiro consumir bebidas alcoólicas."


  • 2015


50. Segundo o Instituto Nacional de Estatística refere que, em 2014, foram registados 89 mortes devido ao abuso do álcool - 20,2% em Lisboa e 8,o% Porto. A idade media do óbito para esta causa de morte foi de 63,1 para os homens e 65,8 para as mulheres. 

49. Noticia no JN (12/4/15) Linda-a-Velha - "João Pedro está indiciado pelo homicídio do filho Henrique de seis meses". De criança "adorável" a homem "violento". Segundo alguns testemunhos "O álcool constituía o maior problema. Era violento quando bebia. Quando bebia ele perdia-se completamente."

48. Noticia no JN (10/1/15) Guimarães - "Atropelado depois de beber 4 bagaços. Um homem com 64 anos morreu atropelado (...) na via rápida que liga as vilas de Brito e Pevidém. A dona do café, onde o homem almoçava e jantava todos os dias, recorda-o como boa pessoa, apesar do vicio do álcool"

  • 2014 ( 5 vitimas)

47Noticia no JN (20/12/14) Ílhavo - "Mãe confessa ter bebido uma garrafa no carro. Foi ontem a tribunal a mulher que conduzia alcoolizada com os quatro filhos - de dezassete, oito e quatro anos e um de cinco meses."

46. Noticia no JN (25/09/14) Guimarães - " Alerta foi dado pela empregada de limpeza do prédio no bairro social. Homem viva sozinho e tinha problemas de álcool. Um homem de 50 anos estava há 15 dias morto em casa. O corpo estava em decomposição avançada. Cirrose matou-o."

45. Noticia no JN (23/08/14) Aveiro - "Bêbado abusava da filha menor. Libertado por juiz de instrução criminal após ser ouvido no DIAP. Quando estava embriagado, um homem de 50 anos, abusava da filha, menor de idade. O caso aconteceu no seio do ambiente familiar, em casa,  e veio a ser descoberto por outros membros da família, que denunciaram o pedófilo às autoridades."

44. Noticia na TVI24 (19/06/14) - Aveiro - A Polícia Judiciaria de Aveiro anunciou esta quinta feira a detenção de um homem, de 47 anos, suspeito de ter ateado, na passada quarta feira, um incêndio na casa onde residia com a mãe, em Anadia. « O suspeito , a residir em casa da mãe, com um quadro de forte alcoolismo e outros problemas psiquiátricos, ao inicio da noite, presumivelmente utilizando um isqueiro, etrá iniciado um foco de incêndio no quart onde se encontrava (...)»

43. Noticia no JN (19/01/14) - Porto - "Corpo de António R. estava há três semanas por reclamar. Falecera no Hospital de Santo António, trazido de emergência da pensão onde fora instalado pela Segurança Social, e ali continuava à espera de quem o reclamasse. António R. tinha 61 anos e era dono de uma vida desregrada pelo álcool (...)"

  • 2013 (12 vitimas)


42. Noticia no JN (02/11/13) - Valongo - "Alcoólico doente morreu ao cair da ponte pedonal. Era um alcoólico conhecido em Valongo o homem de 40 anos que anteontem, às 18.45 horas morreu (...). David M. (...) foi muitas vezes recolhido pelos bombeiros na rua, derrotado pelo alcool."

41. Noticia no JN (27/09/13) - Monção - "Antiga locutora de rádio morta em casa devoluta. Mulher tinha problemas de alcoolismo e vivia há varios anos como sem-abrigo."

40. Noticia no JN (24/09/13) - Aveiro - "Perdi a cabeça e espanquei-a. Ela era alcóolica. (...) O casal vivia num quadro de violência, álcool e droga. (...) Com um pau Carlos desferiu-lhe varios golpes em todo o corpo, principalmente na cabeça e no pescoço."

39. Noticia no JN (18/09/13) - Alvaiázere (Leiria) - "Matou a tiro ex-mulher a o novo namorado. (...)Um autarca local ouvido pelo JN, que pediu para não ser identificado, diz que «para perceber o crime é preciso ter em atenção o facto de se tratar de uma família desestruturada, com alguns elementos a sofrerem de atraso cognitivo e/ou problemas de consumo excessivo de alcool.»

38. Noticia no JN (16/07/13) Loures - "Josefina foi morta pelo marido. O casal já se tinha separado uma vez, devido a zangas ligadas ao álcool, mas Josefina voltara." Segundo um amigo do casal afirmou "Ele tomava uns comprimidos, não sei porquê, mas sei que ele era bom homem."

37. Noticia no JN (07/07/13) Moita - "Ligue à GNR e diga que matei a minha mulher. A luta por uma garrafa terá levado A. de 60 anos, a matar a mulher, de 49 anos. Há muito que o casal viva em conflito. Nelita era vista com frequência completamente alcoolizada e a vaguear pelas ruas."

36. Noticia no JN (25/06/13) Estarreja - "Pai detido por álcool socorrido na GNR por filho bêbado. Detido por conduzir com uma taxa de álcool no sangue superior a 1,20 grama de álcool por litro no sangue (g/l) e depois de ameaçar e injuriar militares da GNR, um homem de 53 anos, telefonou ao filho a contar o sucedido (...) O filho de, de 32 anos, pôs-se de imediato ao volante do carro que conduziu até ao posto da GNR par auxiliar o pai. Mas esqueceu-se de um facto: também estava alcoolizado. Acabou igualmente detido, após acusar uma taxa de 2,43 g/l no teste de alcoolemia." 

35.  Noticia no JN (16/05/13) Braga - "Matou  marido à facada e quis suicidar-se um dia depois. As discussões e agressões entre ambos eram constantes por causa de problemas de alcool." Este casal tem um filho de 10 anos que foi retirado  pela Segurança Social "O menino vive com a tia".

34. Noticia no JN (10/05/13) Amarante - "Pegou fogo à casa e foi beber vinho para o café. As autoridades reuniram 13 queixas de violência domestica que a vitima foi fazendo ao longo dos 24 anos que leva de casamento." "Ele não trabalha, quer que eu lhe dê o dinheiro. Nós vivemos do abono do meu filho e do dinheiro que vou ganhando a coser sapatos em casa. Na semana passada, recebi 150 euros do Rendimento Social de Inserção, gastou-o todo em vinho."

33. Noticia no JN (16/3/13) Cinfães - "Matou o pai por não o deixar beber vinho. Mãe assistiu ao crime e diz que teve de fugir para não ter o mesmo fim que o marido. O meu filho bebe muito e não ajudava em casa."

32. Noticia no JN (13/3/13) Barcelos - "Mulher levou a filha à escola com 2,85 de alcoolémia. PSP de Barcelos intercepta, condutora de 30 anos, com taxa crime de alcoolémia às 9 horas da manhã." Taxa máxima permitida por lei - 0,5. O risco de envolvimento em acidente mortal aumenta duas vezes a partir da taxa máxima permitida por lei e a partir da taxa considerada crime (1,2) o risco de acidente mortal aumenta 16 vezes mais.

31. Noticia no JN (30/01/13) Paços de Ferreira – “Dez anos para jovem que matou cliente” De acordo com a notícia este jovem matou uma pessoa “ao tentar socorrer a patroa da agressão de um cliente…” No dia do crime a vitima mortal tinha um valor elevado de alcoolemia no sangue (2,99). O jovem empregado estava proibido de servir bebidas alcoólicas à vítima, que não sendo atendido, “terá desatado a partir cadeiras.” Mais tarde a patroa do jovem e a vítima envolveram-se em confrontos, foi nesta altura que o jovem agarrou numa faca a espetou-a no ombro da vítima que faleceu no local.
Nota: Só para você ter uma ideia do elevado nível de alcoolemia da vítima (2,99) podemos comparar com o limite permitido por lei em relação aos condutores de viaturas 0, 50.

30. Noticia no JN (06/01/13) S. Pedro do Sul "Amigos atropelados na estrada em que estavam deitados." Segundo um conhecido afirmou "Muito animados após beberem uns "copitos". Outra pessoa conhecida fez referencia a uma das vitimas "Era bom rapaz, mas coitado, gostava de pinguita"
  • 2012 (23 vitimas)
29. Noticia no JN (01/11/12) Sertã “Assassinado por dizer mal de namorada de colega. Um individuo cabo verdiano, de 34 anos, não gostou nada das bocas que ouviu sobre a sua namorada e, após uma troca azeda de palavras, que terá sido agravada pelo álcool, esfaqueou mortalmente um português, de 47 anos.”

28. Noticia no JN (27/10/12) Mira Sintra “Discussão sobre um copo de vinho estará na origem de homicídio. Morto com um golpe de tesoura. Os moradores garantem que a casa não tinha água nem luz e que os quatro moradores, em ocupação definida, eram conhecidos por estarem frequentemente alcoolizados.”

27. Noticia no JN (21/10/12) - Alvor - "Bêbada mata amante com um fio eléctrico. A agressora telefonou para a GNR de Alvor,(....) para participar uma ocorrência de violência domestica, mas acabou por confessar aos guardas, no local, que tinha morto um homem. A agressora estava alcoolizada e os militares suspeitam que tivesse usado estupefacientes."

26. Noticia no JN (13/10/12) - Marco de Canavezes - "Matou o marido bêbado que a queria asfixiar. As discussões entre o casal eram diarias e não passavam dois ou três dias sem haver violência entre o casal. (...) António e a mulher envolveram-se num confronto físico  na presença dos dois filhos menores, com 13 e 14 anos." Este caso aconteceu a 3 de Fevereiro de 2011 e encontrava em fase de julgamento no tribunal

25Notícia no JN (09/09/12) Estarreja - "Pedreiro esfaqueou idoso que o criou e foi detido. (...) em Pardilhó, as ameças, roubos e danos de D. à família Silva não são novidade, ainda que causem alguma estranheza, já que o pedreiro foi acolhido e criado pelo casal desde os seis anos. Ele quando bebe fica agressivo e já fez muito mal. Há meses esfaqueou um GNR" contam A. L. e R. S."

24. Noticia no JN (30/06/12) Coimbra - "Guerra entre dois grupos rivais acaba com homicídio de um homem. Vitima: Jorge (nome fictício). desempregado, mais conhecido pelo O Garrafão, vivia com o irmão, também toxicodependente, em casas abandonadas. Pontualmente, trabalhava na construção civil." De acordo com pessoas conhecidos afirmavam "O Zé metia-se nos copos e a na droga, vivia em casas abandonadas, mas não fazia mal a um mosca"

23. Noticia no JN (06/06/12 Matosinhos - "Lésbica agredia companheira quando estava bêbada. Arguida volta diariamente para casa onde houve agressões para almoçar."De acordo com os relatos da vitima, na mesma noticia "Há dois anos que continuávamos a viver juntas, mas já não tínhamos uma relação amorosa. Quando ela bebia ficava descontrolada. Uma vez ameaçou-me com um taco de basebol e uma garrafa de cerveja."

22. Noticia no JN (25/04/12) Vieira do Minho - "Suspeito de matar irmão com quem dividia mulher. Um dos suspeitos do homicídio é o próprio irmão(...). Viviam com a mesma mulher, num cenário de miséria e violência agravado pelo álcool. Ambos com cadastro por atos violentos e com forte dependência do álcool que se exteriorizava em caracteres agressivos" Segundo os vizinhos, "Eram bons moços e até trabalhavam, mas o vinho dava cabo deles" Com a agravante e de acordo, com a referida a noticia "A mulher, P., com duas filhas que a Acção Social de Vieira do Minho lhe retirou(...)"

21. Noticia no JN (28/02/12) Vagos - "Alcoolizado suspeito de incendiar a própria casa. As ameaças de C.Z., de 48 anos, conhecido por problemas de alcoolismo, agressividade e desavenças familiares, já eram antigas. Bate na família e ameaçou matar alguns com uma espingarda. Já disse à mulher "Vais ter um desgosto. Ainda hei de ver te a pedir esmolas pelas portas" contou ao JN um familiar."

quarta-feira, novembro 09, 2011

As Emoções são a nossa "Vida Interior"


Invista na linguagem dos sentimentos, afinal se os reprimimos estamos a negligenciar uma parte importante do nosso ser. Como se sente hoje? É Ok sentir...seja honesto/a consigo mesmo.

Abandonado/a, Aceite, Adequado/a, Afectado/a, Ansioso/a, Apático/a, Ambivalente, Apreensivo/a, Acarinhado/a, Arrependido/a, Atrapalhado/a, Amado/a, Aliviado/a, Absorto, Ausente, Aborrecido/a, Alegre, Abusado/a, Acanhado/a, Activo/a, Apaixonado/a, Auto-piedade, Assustado/a, Agradecido/a, Aparvalhado/a, Apático/a, Aturdido/a, Alheado/a, Angustia, Atónito,

Bem-disposto/a, Baralhado/a,

Ciúme, Coragem, Chateado/a, Calmo/a, Carinho, Confortável, Confiante, Cobarde, Constrangido/a, Contente, Culpa, Cansado/a,Compreendido/a, Comprometido/a, Cativado/a, Chocado/a, Coitado/a,

Desapontado/a, Desagradado/a, Desencorajado/a, Distraído/a, Desesperado/a, Desacreditado/a, Desanimado/a, Derrotado/a, Doente,Desconfortável, Desconfiado/a, Dominado/a, Desiludido/a, Desprezo, Deslumbrado/a, Dôr, Defensivo/a, Dividido/a,

Envergonhado/a, Estranho/a, Embaraçado/a, Enganado/a, Empatia, Encantado/a, Extasiado/a, Enfraquecido/a, Egoísta, Entorpecido/a, Estúpido/a, Excitado/a, Explorado/a, Encurralado/a, Em-baixo, Entorpecido/a,

Feliz, Falhado/a, Fascinado/a, Frustrado/a,

Gélido/a, Grato/a,

Humilde, Humilhado/a, Hostil, Hirto, Horrível,

Impotente, Injustiçado/a, Inveja, Importante, Indiferente, Impaciente, Intolerante, Irritado, Infeliz, Inseguro/a, Inferior, Ingénuo/a, Idiota, Inocente, Curioso/a,

Jovial, Julgado/a,

Livre, Luto, Lesado/a

Merecedor/a, Medo, Magoado/a, Miserável, Motivado/a, Maravilhado/a, Manipulado/a,

Natural, Nervoso,

Ódio, Ousado/a, Orgulhoso/a, Obcecado/a, Obstinado/a, Obtuso, Optimista,

Pena, Parvo/a, Provocado/a, Preocupado/a, Perturbado/a, Possessivo/a, Piedoso/a, Pasmado/a, Perda, Persuadido/a, Perplexo

Querido/a,

Ressentido/a, Raiva, Rejeitado/a, Remorso, Resignado/a, Respeitado/a, Rendido/a, Realizado/a, Receio, Relutante,

Só, Solidão, Satisfeito/a, Surpreendido/a, Seguro/a, Surpreso,

Triste, Tolo/a, Triunfante, Tranquilo/a,
Zangado

Útil, Usado/a,
Vazio, Vencedor/a, Vergonha,

Vamos sentir...e não fingir. Estas são apenas algumas das emoções se desejar pode acrescentar enviando um email para xx.joao@gmail.com

segunda-feira, outubro 24, 2011

Mudança de mentalidades e cultura


Uma notícia no Jornal de Noticias (20/10/2011) com o título “IDT (Instituo da Droga e Toxicodependência) esvaziado do tratamento da droga” despertou a minha atenção. Segundo o secretario de Estado Adjunto da Saúde, Leal da Costa, citado pela Lusa, afirmou “…no âmbito da administração central aprovada pelo Governo, o Instituto da Droga e da Toxicodependência vai ser transformado numa direcção-geral: Serviço de Intervenção dos Comportamentos Aditivos e Dependências (SICAD).”

Independentemente do que é que estas afirmações possam representar na prática, sabemos que a palavra da maioria dos políticos é duvidosa, o motivo de júbilo da minha parte, é só e simplesmente, pela mudança “gigantesca” (transformação) no conceito Toxicodependência versus Comportamentos Adictivos e Dependências. Aparentemente, parece haver vontade política em mudar a mentalidade e a abordagem, bem-vindo SICAD.

Desde 1993 procuro compreender, sem sucesso, a abordagem institucionalizada do tratamento da Toxicodependência em Portugal. Por exemplo, ainda existem profissionais a fazer psicanálise a indivíduos alcoólicos e a dependentes de drogas no activo, existem algumas instituições cuja abordagem ao tratamento é retrógrada, psicólogos e psiquiatras sem treino na área das Dependências, e alguns médicos passam receitas de medicamentos adictivos (por ex. benzodiazepinas) para indivíduos dependentes, sem que se faça um diagnóstico sobre a doença, inevitavelmente, este tipo de procedimento acaba por agravar ainda mais o quadro da dependência. 

Paralelamente, ao meu fracasso, procuro alterar esta mentalidade generalizada (cultura), na prevenção e tratamento designada “Toxicodependência” visto considerar que termo desactualizado, retrógrado, repleto de estigma e falso moralismo. Recuso a utilizar esta terminologia nas consultas, nas acções de formação, na participação em workshops, etc. A utilização generalizada e institucionalizada do conceito “Toxicodependência” visa culpar, castigar, humilhar, envergonhar, o toxicodependente e a família, afim de que o individuo drogado se cure do seu problema moral - comportamento desviante. Não consigo enquadrar o comportamento desviante, no tratamento clínico da doença da Dependência (Adicção às Substâncias Psicoactivas Ilícitas, incluindo o álcool, e/ou as Ilícitas). Na minha opinião, comportamento desviante, possui uma carga negativa de falso moralismo, apoiado na culpa e na vergonha do drogado marginal (cultura). Na nossa sociedade, drogados são marginais e delinquentes, aqueles indivíduos, com problemas de drogas, que vestem fato e gravata já recebem tratamento diferente.

segunda-feira, outubro 10, 2011

9ª Dica Arte Bem Viver de 22.05.11 - Mudança







Olá
Costumamos afirmar que nos conhecemos o suficiente, mas infelizmente, para algumas pessoas, não é verdade porque racionalizamos, justificamos, maximizamos, negamos. Por vezes, estes mecanismos ficam” cristalizados" inconscientemente.


Ao longo da vida, estamos emocionalmente envolvidos num processo constante de transformação e de adaptação. Isto significa, que aquilo que acreditávamos (passado) poderá ser renovado e (re) ajustado à realidade e ao Rumo da Vida que escolhemos (presente).

Como gerimos e lidamos com a resistência natural à mudança de atitudes e comportamentos?
Estamos de mente aberta ou resistimos a ceder ao óbvio e/ou à realidade...dos factos, prolongando o sofrimento?
Podemos desenvolver uma "musculatura" cognitiva e social que nos permita monitorizar os factos, a realidade e amadurecer. Estamos prontos para assumir riscos, sair da zona de conforto, para mudar?
Não estamos sozinhos neste "barco", resistente à adversidade, mas para pescar é preciso sair do porto seguro. Para isso é preciso avaliar o comportamento e escutar as emoções... o mais honestamente possível.
Hoje faça um inventário audaz e detalhado de si próprio (aspectos positivas e aspectos a modificar) e não dos outros.

Votos de uma excelente semana

Cumprimentos


Comentário: Sabia que a Dica Arte de Bem viver começou com uma "brincadeira" para os amigos? Hoje em dia é enviada para mais de 300 pessoas, para vários países de expressão portuguesa. Caso deseje receber a Dica basta enviar um email para joaoalexx@sapo.pt. No assunto escreva Dica Arte Bem-Viver. Todos os dados são confidenciais. É grátis














quarta-feira, setembro 07, 2011

Em recuperação, qual é a sua vocação?




Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, 6ª Edição da Porto Editora a designação de Vocação é: acto de ser chamado ou predestinado para um determinado fim; inclinação e predisposição para um certo género de vida, profissão, estudo ou arte. Tendência, talento; jeito; índole.


Hoje em dia, existem numerosos livros e investigação sobre os interesses vocacionais; individuais e/ou sociais. Uma grande parte dessa literatura está direccionada para a área profissional por ex. liderança, gestão de recursos humanos, trabalho em equipa. Desde sempre que o trabalho é considerado uma das mais importantes actividades nas nossas vidas. Sabia que a maioria dos adultos gasta mais tempo a trabalhar do que a dormir e/ou a divertir-se? Outra parte dos adultos apresentam dificuldades acrescidas na altura de escolher as suas carreiras e/ou profissões. Esta questão existencial desconfortável é também idêntica aos relacionamentos românticos e intimidade (vivência com o/a parceiro/a). Uma parte significativa de indivíduos, em recuperação dos comportamentos adictivos e não só, sentem remorsos e/ou arrependimento depois de fazer as suas escolhas.

Em recuperação (re) encontra-se a vocação.
O que é que a vocação tem a ver com a recuperação dos comportamentos adictivos? Antes que alguém possa desenvolver comportamentos adictivos (seja substâncias adictivas lícitas, incluindo o álcool, e ou ilícitas, jogo, sexo, dependência emocional, compras (shopaholics), distúrbio alimentar, shoplifting (furto) convém recordar, antes demais, que somos seres gregários e dependemos das conexões (vínculos) com as pessoas à nossa volta, principalmente com as pessoas significativas. Somos dependentes, por exemplo, quando estamos doentes, assustados (ex. desemprego), deprimidos (ex. separação/divorcio), angustiados (doença de alguém significativo), inadequados, fragilizados, impotentes e perdemos o controlo. Todavia, o oposto também sucede quando partilhamos as nossas vitórias (ex. carreira profissional de sucesso), ambições (projectos de vida, superar doença), sucessos (casamento, nascimento) e gratidão (recuperação da adicção). Todavia, dificilmente aprendemos a desenvolver e a investir em determinados valores individuais, sociais e espirituais (não religioso, sem dogmas e/ou divindades) como por exemplo o amor, o propósito e o sentido da vida, a honestidade, o desapego, a intuição, a resiliência, assim e de uma forma abrupta, a meio da adolescência, somos “empurrados” para o mundo dos adultos (cultura) e ensinados a estudar para ter sucesso, afim de arranjar uma profissão bem remunerada, constituir família e comprar casa. A independência e a autonomia, definida pelos adultos, exige um estabelecido status com base nas referências anteriormente descritas; sucesso, profissão, casar e casa.

sexta-feira, agosto 05, 2011

A adicção afecta qualquer tipo de pessoas.



Qual a influencia, no publico em geral, quando determinadas pessoas, figuras publicas, admitem que numa determinada altura das suas vidas se confrontaram com a adicção? Na nossa sociedade, ainda existe o preconceito de que o alcoólico e ou o dependente de substancias é um individuo marginal, fraco, sem recursos e ou sem o apoio da família e desempregado. O vício é um rótulo moral, estigma da nossa cultura.



A adicção é uma doença primária, progressiva, crónica e caso não seja interrompida pode ser fatal. Na realidade, a adicção é uma doença negada e difundida entre uma parte significativa da população, todos nós conhecemos alguém, directa ou indirectamente, afectado por este problema.

Sabia que um adicto (alcoólico, dependente de substancias licitas e/ou ilícitas, jogador, sexo, distúrbio alimentar, dependência emocional, shoplifting, compras) pode ser marido, padre, politico, medico, esposa, bispo, desportista, advogado, piloto, psicólogo, irmão, irmã, engenheiro, filho, filha, soldado, policia, actor, actriz, musico, psiquiatra, juiz.

Algumas celebridades que admitiram publicamente um problema com a adicção.
Eric Clapton (musico)
        Ringo Star (musico)
                   Boy George (musico)
                         Anthony Hopkins (actor)
                                  Betty Ford (primeira dama - faleceu)
Tiger Woods (desporto)
           Bill Cliton (presidente EUA)
                     Robbie Williams (musico)
                            Tom Sizemore (actor)
                                  Stephen King (escritor)
                                              Buzz Aldrin (austronauta)
Ben Affleck (Actor)
             Jamie Lee Curtis (actriz)
                     Drew Barrymore (actriz)
                              Samuel L. Jackson (actor)
                                    Elton John (musico)
                                         Melanie Griffith (actriz)
Ewan McGregor (actor)
      Robert Downey Jr (actor)
           Eminem (musico)
               Nick Nolte (actor)
                   Joaquim Phoenix (actor)
                          Eddie Van Halen (musico)
                                   Iggy Pop (musico)
                                             Mickey Rourke (actor)
Naomi Campbell (modelo)
         Annie Leibowitz (fotografa)
                Dennis Quaid (actor)
                       Jonnhy Depp (actor)
                          Michael Douglas (actor)
                                      Richard Dreyfuss (actor)
Phillip Seymour Hoffman (actor)
     Billy Bob Thornton (actor)
         James Goldolfini (actor)
              Elizabeth Tayler (actriz)
                       Robbie Williams (actor)
                               Liza Minneli (actriz)
                                     Winona Ryder (actriz)
                                             David Bowie (musico)
Mike Tyson (desporto)
    Dennis Rodman (desporto)
             David Duchovny (actor)
                         Oliver Stone (cinema)...
A lista não acaba aqui. Existem também figuras publicas portugueses que admitiram o seu problema...e que hoje conseguem ter qualidade de vida.

Vamos quebra o Estigma, a Negação e a Vergonha associado aos comportamentos adictivos. Se identificar problemas relacionado com substancias psicoactivas legais e/ou ilegais e/ou comportamentos, peça ajuda.
Recuperar É Que Está A Dar




domingo, julho 24, 2011

"Tal pai, tal filho", mas com rumos diferentes



Um garoto, a que vamos chamar Júlio, de 15 anos, quando conversava evitava o olhar e falava muito baixo, todavia, era muito doce e muito forte. Morava num bairro social, num T1, no mesmo prédio  mas em dois andares diferentes. No primeiro andar morava a avó que padecia de cancro, em fase terminal, no rés-do-chão morava o pai alcoólico com um cão. Todos os dias, o rapaz levantava-se muito cedo, tratava da casa, preparava o almoço, depois corria para a escola onde era um óptimo aluno, mas muito solitário. Ao final da tarde e de regresso a casa, fazia compras, não esquecia de levar o vinho, lavava o T1 onde o pai e o cão tinham feito bastantes porcarias, vigiava os medicamentos, dava comer à pequena família, depois à noite, quando a tranquilidade regressava, oferecia a si mesmo um instante de felicidade, estudava.

Um dia foi convidado para participar num projecto entre turmas na escola. Ele, dois colegas e o professor estiveram a falar sobre o assunto. Após a reunião, voltou para casa, para as suas duas divisões caóticas, deslumbrado e aturdido de felicidade. Era a primeira vez na vida que lhe falavam amigavelmente, que o convidavam para tratar de um assunto insignificante e abstracto, tão diferente das provações incessantes que enchiam a sua vida quotidiana. Esta conversa (reunião) insignificante, para um jovem de um ambiente familiar normal, adquirira para o Júlio um deslumbramento muito especial e distinto. Afinal, era possível conviver e fazer parte das coisas normais e abstractas. Passados uns anos, antes do exame final do 12º ano, o Júlio, exclamou “Se por desgraça, passar no exame, não poderei abandonar o meu pai, a minha avó e o meu cão.”

Recordo outro indivíduo a que vamos chamar de Mário, 40 anos, alcoólico e dependente de drogas desde longa data, pai solteiro de duas filhas jovens, que não conhece, vive, num bairro social, T1, com a sua mãe de 80 anos, mais dois irmãos, um de 35 e o outro de 38 também dependentes de drogas e álcool, não sabe ler e escrever e apresenta sérios problemas de saúde consequência da dependência (no fígado). O seu pai morreu, com uma cirrose no fígado, vítima do alcoolismo. O Mário, não completou a primeira classe, como não tinha “jeito” para estudar, foi trabalhar na construção civil, com o seu pai. È um individuo de tracto dócil, simpático e sempre esteve disponível para ajudar os outros.

Hoje o Júlio, com 40 anos, é professor universitário e o Mário, 40 anos, está dependente de álcool e outras drogas. O rumo de vida foi diferente para estas duas crianças, ambas oriundas de famílias afectadas pela Adicção activa (Alcoolismo). Talvez por ironia do destino cruel, tenha determinado um rumo diferente, no caso do Júlio. Depois de passar no 12º ano, um dia o cão fugiu para a rua, o pai alcoolizado perseguiu-o, cambaleante, e foi atropelado por um automóvel, uns dias depois a avó faleceu no hospital de cancro. Liberto das suas obrigações familiares, disfuncionais, conseguiu reunir os recursos (externos) e competências (internas) que lhe permitiram moldar o temperamento doce, mas resistente, perante as agressões da sua existência, mas determinantes no trajecto da sua vida.

O Mário dependente crónico de substâncias psicoactivas, ainda permanece “agarrado” ao sistema caótico e disfuncional familiar, no mesmo T1, apesar do seu trato dócil, simpático e disponível para ajudar os outros. Começa a beber de manhã, para “sossegar” os tremores das mãos e de tarde dorme para apaziguar os seus “fantasmas”, perdeu a esperança quanto a um projecto de vida, incapacitado psicologicamente, pelos efeitos negativos do álcool e drogas, e estigmatizado pela sociedade, como um “caso perdido” e cuja profecia popular determina “Coitado, vai-lhe acontecer o mesmo que ao pai.”

quarta-feira, julho 13, 2011

Visitantes do Recuperar É Que Está A Dar (Cidades)

Durante mês de Junho os visitantes do Recuperar das Dependências (Top 10 Cidades portuguesas).


1º Lisboa - (mais visitantes)


2º Porto 


3º Aveiro


4º Setúbal


5º Viseu


6º Santarém


7º Braga 


Castelo Branco


Faro


10º Évora (menos visitantes)




Ao analisar estes dados constato, com agrado, que o Recuperar É Que Está A Dar encontra-se presente de Norte (Braga) ao Sul (Faro) do país,e pelo interior (Viseu),(Castelo Branco) (Évora). Continuem a visitar e a participar com comentarios e mensagens. Caso esteja interessado/a adira, ao Recuperar É Que Está A Dar também presente no Facebook.com/joaoalexx. Bem haja



segunda-feira, julho 11, 2011

Pessoas Especiais (Mentores) Betty Ford









Betty Ford - 1918 - 2011

Na passada sexta-feira faleceu Betty Ford, aos 93 anos. 

Quem foi Betty Ford? Nasceu a 18 de Abril de 1918, na cidade de Chicago. O seu nome de nascimento é Elizabeth Anne Bloomer. Era uma adicta em recuperação, ao álcool e medicamentos sujeitos a receita médica, em recuperação há mais de 30 anos. Foi esposa do Presidente Americano Gerald R. Ford (Primeira Dama entre 1974 - 1977). Esta ilustre senhora conseguiu surpreender pelo seu carácter e talento ao conseguir superar a adicção ao álcool e aos medicamentos (substancias psicoactivas licitas – benzodiazepinas) e o cancro da mama, onde mais tarde sofreu uma mastectomia.


Em 1974, a sua família reuniu-se para a apoiar de forma a interromper a progressão da adicção activa. Logo após esta intervenção familiar, Betty Ford foi admitida para tratamento, em regime de internamento, no Long Beach Naval Hospital, na Califórnia. Depois de terminar o tratamento, e iniciar a sua recuperação da adicção inaugurou em 1982, com o empresário na área da indústria e embaixador Leonard K. Firestone, um dos centros de tratamento mais reputados nos EUA, o Betty Ford Center, instituição sem fins lucrativos. Esta conceituada instituição de tratamento, para indivíduos adictos a drogas licitas e/ou ilícitas, adoptou a filosofia dos 12 Passos, dos Alcoólicos Anónimos, ao modelo de tratamento. Algumas celebridades que estiveram internadas nesta instituição; Liza Minnelly, Elizabeth Taylor, Mary Tyler Moore, Mickey Mantle e Darryl Strawberry entre outros.

Aproveito a oportunidade para prestar uma sincera homenagem a esta ilustre e humilde senhora pelo seu trabalho, em prol dos outros, e pelo seu valioso contributo no tratamento e recuperação da adicção ao álcool e medicamentos sujeitos a receita médica.

Na minha passagem pelos EUA constatei, com surpresa, que o movimento associado à Recuperação da Adicção assume um papel muito significativo na sociedade americana porque, entre outros factores, pessoas ilustres, como a Betty Ford, assumiram a sua adicção publicamente, realçando a necessidade da recuperação, contribuindo assim para a luta contra o estigma, a negação e a vergonha. Este flagelo não acontece só aos outros. Precisamos de exemplos semelhantes em Portugal.
A Dependência (Adicção) à medicação prescrita pelo médico é um fenómeno oculto, do publico em geral, que assume proporções preocupantes.
Um saudoso adeus.


“Sou uma mulher simples, que foi chamada ao palco num momento extraordinário da minha vida” Betty Ford

Siga este link (entrevista)




quarta-feira, julho 06, 2011

Grupos de Ajuda Mutua Sem Fronteiras, em Português

Constato com imenso agrado que desde o inicio, em 2007, este projecto Online, uma parte significativa dos seguidores (visitas) são indivíduos do Brasil.
Através da Internet a Recuperarão dos Comportamentos Adictivos não está restringida às fronteiras, pelo contrario, a informação está disponível num espaço virtual muito vasto e acessível a todos os interessados.

Neste sentido, após receber vários emails de indivíduos oriundos de varias cidades brasileiras a felicitar o Recuperar É Que Está A Dar solicitei a alguns membros dos Grupos de Ajuda-Mutua, a possibilidade de publicar um post com endereços Online para que a mensagem de recuperação da adicção activa chegue ao maior numero possível de indivíduos. Na realidade, considero um recurso extremamente valioso, os Grupos de Ajuda-Mutua, na nossa comunidade e sociedade, cada vez mais exposta e vulnerável a este fenómeno trágico e global das dependências de substancias psicoactivas (drogas licitas e/ou ilícitas).

Grupos de Alcoólicos Anónimos (AA) na Internet, no Brasil.




ü  Grupo 5 de Abril de AA – http://www.grupo5deabril.org/

ü  Grupo Vivencia de AA -  www.aagrupovivencia.org/

ü  Grupo Jatiuca de AA – Alagoas - grupo-jatiuca-aa-owner@yahoogrupos.com.br

ü  Grupo Gomes Cardim de AA Online www.alcoolicos.gvgcaa.nom.br/

ü  Grupo Recomeçar de AA Online - www.gruporecomecar.org

ü  Grupo Recuperar de AA Online - www.recuperaronline.com/

ü  Grupo Renascer de AA Online - www.gruporenascer.org/

ü  Grupo de A.A. terra da luzwww.aaceara.org.br/grupo_terra_da_luz.htm

ü  Grupo Doze Passos - grupoaadozepassoscanoas@gmail.com



ü  AA BR-Online - www.aabr-online.com.br

ü  AA Sobriedade - http://www.aasobriedade.org


ü  AA Brasil Portugal - www.aabrasilportugal.org

ü  AA Grupo 3 legados - grupo-tres-legados@oso-aa.org


 Nota: Recuperar É Que Está A Dar













terça-feira, junho 21, 2011

Pedidos de ajuda que quebram o estigma, a negação e a vergonha I


‎‎‎‎‎‎Pequenos excertos sobre pedidos de ajuda recebidos por email, sendo posteriormente enviadas as respectivas respostas. Todos os dados pessoais foram alterados de forma a manter a confidencialidade dos seus intervenientes. Se identificar com alguma situação e ou comportamento em concreto pode escrever um email e solicitar apoio.
A publicação destes pequenos excertos tem como propósito quebrar o ciclo disfuncional associado ao estigma, à negação e à vergonha. Na sociedade de hoje, é cada vez mais comum o aparecimento deste tipo de problema e questões entre pessoas e famílias. Por vezes, a distancia, entre pessoas com problemas idênticos, pode ser uma porta, um prédio e/ou uma mesa do escritório. A ajuda surge quando o ciclo disfuncional é interrompido. 
Todos, sem excepção estamos vulneráveis e expostos à adversidade, por ex. comportamentos adictivos. Determinados comportamentos dolorosos podem despoletar o mecanismo (ex. procura do prazer, alivio através da comida, sexo, substancias psicoactivas, jogo, compras, shoplifting) que supostamente nos protege da dor, mas conduz-nos no sentido contrário, da dependência e da perda do controlo.

Pedidos de Ajuda
Distúrbio alimentar: "Navegava na Internet para resolver o meu problema de bulimia. Adorei o seu blogue, acho que encontrei uma luz ao fundo do túnel. Amei o texto sobre perdoar e cada vez mais me convenço que tenho que aprender a perdoar e a perdoar-me em vez de viver a apontar o dedo a mim e aos que me estão mais próximos."
 
Distúrbio alimentar: "Desde há uns anos quando acabo uma refeição 90% das vezes fico agoniado/enjoado. Quando tinha 12 anos era gordinho e a família brincava comigo em relação ao meu peso e ao corpo. Não achava piada. Dei por mim, a beber um copo de leite de manhã e a jantar. Sempre que como fico mal disposto. Nunca vomitei após uma refeição, mas tento controlar-me, porque vontade não me falta. Será que posso ter algum tipo de distúrbio alimentar?"